Sustentabilidade na Flona do Purus
Participantes de oficina decidem formar nova cooperativa de extrativistas
 | leia mais | 
Oficina de elaboração de plano de negócio, promovida pelo Ministério do Meio Ambiente, empolgou moradores da Vila Céu do Mapiá. O foco do treinamento foi no manejo florestal de madeira, mas a perspectiva é integrar todos os setores através da economia solidária.

A "Oficina de Elaboração do Plano de Negócio para o empreendimento comunitário no manejo florestal da FLONA do Purus", realizada nos dias 5 e 6 de março, superou as expectativas! Com média de 20 participantes, o evento reuniu os serradores, o pessoal do Centro Medicina da Floresta e os artesãos, que decidiram se organizar em forma de  cooperativa: a Cooperativa dos Extrativistas da Vila Céu do Mapiá. É um momento histórico da comunidade, de emancipação e empoderamento do grupo que representa a base da pirâmide social.
A missão da nova cooperativa, definida pelo grupo é:
 
"Promover o uso múltiplo da Floresta Amazônica, por meio do Manejo Florestal Sustentável Comunitário, oferecendo produtos e serviços de qualidade, gerando renda, conservando o meio ambiente e valorizando o trabalho e a cultura local".
 
No decorrer da oficina foram colhidas todas as informações necessárias para elaboração do plano de negócios para a produção de madeira serrada. Os demais empreendimentos da cooperativa (fitoterápicos e artesanato) terão o seu Plano de Negócios elaborado em outro momento. Os dados estão sendo processados e refinados em Brasília pelos técnicos do Serviço Florestal Brasileiro e serão disponibilizados em breve.
 
Com o plano de negócios pronto será possível avaliar a viabilidade econômica da atividade madeireira no Mapiá, dentro da perspectiva do manejo florestal sustentável. O plano irá prever todo o investimento necessário para colocar em prática o empreendimento, incluindo a montagem de uma serraria, desde a extração, o transporte da floresta até o processamento da madeira na serraria e depois até o consumidor final. O plano indicará a previsão de receita a ser alcançada com a venda da madeira para a sustentabilidade da atividade.
 
Uma informação muito importante foi fornecida pelo técnico florestal do IDAM*: não existe madeira legalizada (selo verde) na região de Boca do Acre/Pauiní. Todas as serrarias e marcenarias trabalham com madeira "clandestina". O Mapiá será o primeiro fornecedor de madeira legalizada na região!
 
Ficou indicado para meados de junho uma nova reunião para elaboração do estatuto e da ata constitutiva da cooperativa.
 
Decidiu-se também que no primeiro momento a Associação de Moradores (AMVCM) será a proponente do Plano de Manejo Florestal Sustentável da Vila Céu do Mapiá, que deverá ser transferido para a cooperativa após a sua constituição.
 
O Plano de Manejo Florestal da Flona do Purus, onde fica a Vila Céu do Mapiá,  foi elaborado pela equipe técnica do Núcleo de Estudos Pró-Amazônia (NEPAM) e o esforço da própria comunidade. Um trabalho sério, feito com profissionalismo, que contribui para o desenvolvimento responsável do nosso país.
 
Com calma e otimismo vamos avançando!
 
Pedro Christo
Doutor em Ciência Florestal pela Universidade Federal de Viçosa/MG.
Integrante do  NEPAM

* Instituto de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal Sustentável do Estado do Amazonas